domingo, 25 de janeiro de 2009

Antropologia da falta de luz

Quando você está sozinho em casa e, de repente, falta luz, você grita "uuuh"? E quando a luz volta, você faz "eeeeh" e bate palmas? Pergunto isso porque nunca entendi o porquê das pessoas, quando em locais públicos e em companhia de outras, fazem ruídos quando a luz vai embora. E comemoram sua volta como se fosse um gol da seleção brasileira. Muito estranho. Reparei também que quanto mais simples o lugar, maior a reação. Aliás, você já reparou que em restaurante mais arrumadinho as pessoas não gritam tanto? Não me atirem ovos nem me chamem de elitista, por favor. É apenas uma constatação. Eu posso comer batata frita numa esquina e foie gras na outra. Mas as diferenças de comportamento sempre me intrigaram. Seria porque algumas pessoas têm menos chance de se expressar em sua vida cotidiana e, nos momentos de lazer, sentem uma necessidade inconsciente de participar a estranhos seus feitos diários? Ou porque seus conceitos de privacidade e sutileza são incompreensíveis para mim? E não acho que a algazarra ocorra porque há muitas pessoas tomadas pelo mesmo espírito de festa ou euforia, pois isso seria natural e é do ser humano. Vê-se, muitas vezes, vários grupos não interativos e que, em seu interior, comportam decibéis de trio-elétrico. É o exemplo daquela família com crianças num restaurante, em que os pequenos berram e correm ensandecidamente por entre as mesas e os pais os chamam aos gritos, mas sem a mínima intenção de controlá-los. Esse tipo frequenta os mais diversos ambientes e não têm noção de civilidade básica. Destes grupos saem os que, na vida adulta, fazem "uuuh" quando falta luz e "eeeh" quando ela volta. Nunca esquecendo de bater palmas.

6 comentários:

Márcio Almeida Júnior disse...

Dra,
Penso que qualquer pessoa com mais de 15 anos e o ensino fundamental completo que faça "uuuh" e "eeeh" diz muito sobre seu tipo sociológico.
A título de contribuição às suas pesquias, sugiro uma reflexão sobre aquela categoria que, num espetáculo musical ou cinema, costuma dizer "u-huuu!!!",com duas sílabas bem marcadas. Venho estudando eu próprio essa categoria há algum tempo. É muito intrigante.

GUNNER disse...

Sim sim! Esse u-hu também é intrigante e irritante. Geralmente são mulheres, mas já vi homens fazendo também. Se quer ver isso até a exaustão, veja o Big Brother brasileiro todos os dias; vale a pena ver esse programa para constatar antropologicamente a decadência da sociedade.

Luciana F. disse...

Márcio, sim, o u-huu já está no lado de lá da fronteira do aceitável. Vou analisar mais a questão desta forma de verbalização primitiva de ânimo na sociedade moderna. Contriuições são bem vindas, meu amigo!!! Abraço!

Luciana F. disse...

Gunner, baby, acho que se analisar os seres que se prestam a tal programa pode render boas considerações. Mas, definitivamente, não tenho paciência. Talvez em algum momento etílico...O fato é que, quanto mais eu observo esse tipo de gente, mais eu me pergunto: será que não sou um ET?
(Love you)

Anônimo disse...

você é ridícula....
Uma maníaca depressiva louca....

GUNNER disse...

...e vc é mau caráter e covarde, pois se ao menos tivesse se indentificado, seu comentário tería o mínimo e desprezível valor...BACK OFF!