domingo, 13 de abril de 2008

(devaneios para o dia frio)

Endireitei a postura para esquecer coisas boas. Aprumei-me na cadeira com intenção de baixar à terra. Quando o espaldar do móvel me abraçou o dorso, falhei. No suspiro da impossibilidade, arrepiei. Sua mão me subindo a nuca em busca dos cabelos é o que eu sinto quando fecho os olhos. Sua mão nos meus labirintos. Os ares escassos. Os sons quentes amordaçados pela língua. Viro para olhar e lhe ouço. Estou presa em seus contornos. Você me faz rir de êxtase ainda que minhas unhas estejam afiadas. Você também gosta de dor boa. Água. Sorrisos de canto de boca. Olhares de sonho. Acordo e estou dentro de seus braços.

4 comentários:

Maria Valéria de Lima Schneider disse...

Lindo, Luciana!

Luciana F. disse...

Oi Valéria! Essas coisas saem, já a crônica...hehehe..bjos...obrigada pela visita!

MARCO DE CURTIS disse...

Belas palavras... Você já se aventurou escrever contos? Se vc gosta de lê-los, experimente:
http://marcodecurtis.blogspot.com Pegue um café o conto é grande.
Marco

Luciana F. disse...

Oi Marco! Obrigada pela visita e pal dica. Com tempo, lerei o conto, sim! Abraço!