sábado, 1 de março de 2008

A oficina de crônica

Na correria da semana que passou (e com o usual stress do aniversário), acabei não contando da primeira aula da oficina de crônica do Carpinejar. Foi excelente. Atestei minha total ignorância literária, em termos de produção. E achei ótimo! O Fabrício, além da notória inteligência de sua obra, é um professor espetacular. Estou encantada com todas as possibilidades de aprendizado. Pra mim, reconheço, é mais emocionante o processo do aprender do que o concluir da obra propriamente. Sou fascinada pelas descobertas e pelos incontáveis caminhos que o texto pode seguir. E a crônica, com essa cara de despretensiosa, tem gênio difícil de domar. Então, mãos à obra. Próxima terça, entrego dois textos para correção. Espero que ele caneteie sem dó nem piedade. Estou sonhando com riscos vermelhos atravessando a folha de papel e rabiscos indicadores de mudanças. Espero que todos, algum dia, possam passar pelo crivo de alguém cuja obra admiram. É um privilégio.

3 comentários:

Germano V. Xavier disse...

Se inveja matasse (Parte II- O Retorno)

Poxa, Lu, assim você destrói meu coraçãozinho e tudo o que me faz sentimento aqui dentro de mim. Dá vontade de pegar um avião só pra assistir a uma aula do "Cabra". Continue nos relatando sobre as produções, eu tenho muita curiosidade sobre as oficinas e suas produções... Fiquei curioso acerca dos seus dois textos que o Fabrício irá corigir. Ah, se eu pudesse...

Um cheiro, querida!!!
Apareça...

Abraços do caçula Xavier...

Alessandro Palmeira disse...

Creio que ele terá pouca coisa a corrigir. Gostei da saudade impedindo o respirar. Abraços.

Luciana F. disse...

Queridos, prometo inserir os textos corrigidos assim que retornarem! Legal vai ser a evolução ao longo do tempo...Mas espero que sempre possam haver correções...Senão, perde a graça né! BJos