quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Perguntas, sempre perguntas...

Tanta coisa no mundo influencia minhas vontades. Para o bem e para o mal. Eu tenho uma urgência de obter tudo de tudo e de todos, até a última gota. Talvez porque, de mim, se possa extrair até o último suspiro. E cada contato do elemento externo é como um dedo apertando um botão em minha mente. Um interruptor, na verdade. Energia circulando rápido. Curto-circuito interno. Essa inconstância me consome. Interessante que a persona (aproveitando o comentário no post anterior) não transparece isso. Ao contrário, a personagem é de uma solidez invejável. A máscara é de linhas retas e firmes. O rosto, por detrás, evapora de tão volátil. (Será que, então, estamos condenados às compensações de personalidade para sobrevivermos nesse mundo?). De qualquer modo, vivo em eterna vontade de pular do penhasco. Que vontade é essa? Fuga ou busca?

3 comentários:

marcelo disse...

provavelmente ambos...

Denken disse...

Penso que sempre buscamos; a própria fuga é uma busca. Sempre buscamos alguma coisa, ainda que por vezes não percebamos.

Anônimo disse...

Percebemos, sim. Falta é vergonha na cara mesmo...rsrsrs
Lu